segunda-feira, 31 de outubro de 2016

__olhares


Tenho escrito estórias e assim completando minha história, remanejando meus talentos, reconhecendo meus enganos. Sendo eu.
Não por acaso - até por nele não creio - tenho vivido os dias de forma a não contar horas, mas a contar atos. 
Assim, sigo. 
Este seguir nada mais é do que a obrigação - o que me cabe neste mundo escola.
Mas a palavra tem sido, de qualquer forma, a minha mais cara companheira.
Por ela e com ela, perco e ganho noites e dias.
Tudo faz sentido quando ela se apresenta e me toma de assalto, 
abraçando minha alma e meu corpo de modo a desenhar-se diante de meus olhos.
Por isso, ouso dizer que não me importo com muito mais do que isso.
Já fiz muito e hoje, se faço pouco para o mundo, estou certa de fazer 
mais para esta viagem a que me lanço apaziguada.
Se de mais não sei, não me apresso.
Sou os olhos a buscarem a leitura perfeita.
E as mãos a desenharem uma caligrafia possível.
No mais, caminho. E enquanto caminho, sou.

...

[imagem: marie]