terça-feira, 10 de novembro de 2009

_________preguiça



Penso nos dias modorrentos de um janeiro qualquer.

A preguiça toma conta de tudo e até minha poesia deita à sombra de uma frondosa mangueira.

Em suspenso, as flores de minha vida ficam presas no varal, a secar e a partir de tão secas para enfeitarem, depois, algumas páginas que deixei em branco.

Já não me importo se faz muito calor, se estou desmaiada em minha impossibilidade.

Sou um vasto bocejo como as tardes de janeiro.

E me abano de esperança por um vento sul...

A.

___________________________________________imagem: anita walters

domingo, 1 de novembro de 2009

_______amiga poesia


Tenho escrito poesia enquanto faço coisas, vivo a vida, vou seguindo.
Escrevo em meu pensamento, sem ter como agarrar o lápis e o papel.
Quase a perco, porque vai correndo pelo ar ou desce pelo ralo da pia enquanto lavo a louça.
A poesia.
Irritante senhora de quase cinquenta que não se aposenta de mim.
Uma coleção incansável de meus gritos guardados nas gavetas da cômoda do tempo.
Risível companheira desde os tempos de normalista.
-antes...tão antes disso!-
.
.
.
O que diria a colegial impaciente
e rebelde, agora que saio correndo
à procura de mim,
a quem só consigo definir
escrevendo poesia?
.
.
.
Sorriria, bonita e comportada.
Imaginaria que recatos ainda caberiam
na ruga em torno dos olhos
que ainda brilham de paixão.
[pela vida - inteira - em qualquer universo]
.
.
.
Poesia.
Aconchegante ponto final de mim.
A.
_______________________________imagem : thai