domingo, 25 de abril de 2010

________dentro



...

Continuo olhando para mim e vendo adiante, como se o imenso espelho existisse apenas para além do agora.
Prossigo e insisto,nada é mais real que os passos que são dados através do tempo - este que dissipa o manto de noites e dias crispados da cólera de viver.
Explode o sonho e já sou o talvez.
Algumas letras escapam e escrevem feito estrelas até que formem
constelações dentro de um poema que não fui eu que escrevi.
Permaneço.
O amanhã já está bordado na toalha de mesa.
E as canções já foram escritas pelo próprio som.

...

A.

_____________imagem: valentina

quinta-feira, 22 de abril de 2010

_____lições


.
E o que teria aprendido a cada dia, desses que se arrastam ou voam - já nem sei - entre mnhas apreensões e meus carinhos voltados à minha origem?
Talvez eu tenha me angustiado inutilmente - talvez a angústia seja sempre inútil mesmo...talvez eu tenha expulsado de mim alguma dor que desmaiara anos atrás junto do meu leito.
Posso ter aprendido a me desfazer do peso das palavras vazias, dos gestos bruscos e, até, das perguntas gastas.
Talvez a dor que minha mãe me ensina a vencer tenha me ensinado o domínio sobre minha fraqueza extrema e até a vitória sobre os excessos.
Lições que se tem todos os dias, num lugar como este têm um peso e um aproveitamento tão maior.
Como quando a gente mistura lágrimas nossas às de outrem e percebe que ambas têm
o mesmo gosto e sal. Do sal que tempera a vida e as almas.
Por ser o aprendizao minha mais cara missão, habituei-me a amar o preço pago por cada lição.
E aprendo sentindo que ainda nem comecei a aprender.
Que, quanto mais me vem, mais necessita vir.
E sigo, ainda que os que amo vão ficando pelas estações.
 Eu me mantenho no trem até que chegue a minha
vez de desembarcar.
Tomara com tamanha força.
Tomara com tanta dignidade.
Lições....
Tantas há que não me cabem.
Tantas há que aqui não cabem.
E a rara paciência de reconhecer-me sem nada saber.
E a lição que ensino?
Se posso, a de ter vontade de aprender.

A.
____________________________________________

imagem: sean dugan


quinta-feira, 15 de abril de 2010

____palavras e sentimentos soltos


.
Faço orações, escrevo estórias, conto a minha história...eu me divido e me alinho em elos, sou partes várias entrelaçadas e sentimentos que formam círculos de mim.
Penso, caminho, olho pela janela. Solidão não me dói ou incomoda.
O que sangra é uma saudade gritante, esta que começa se agigantar e criar raízes, aqui dentro.
Janelas se acendem nos prédios vizinhos: as pessoas já chegam, se encontram e relaxam.
Voltam.
Eu...eu sou lembranças e uma voz de mulher que canta enquanto nina um bebê.
 Sou a parte que me cabe de alguém que está partindo.
E a certeza de que preciso aprender a me despedir.
Então, perceber os aneis entrelaçados
de vida gerada e amada.
Reconheço em meu próprio gesto, um vislumbre de aceno amado,
  lento e tímido.
.
Sou orações e minha história.
 Entrelaçada à dela.
Minha aliança, minha mãe.

_________________________________
imagem : A.


terça-feira, 13 de abril de 2010

______sobre dons



E os dons que se aprende com o passar dos dias e das estações: como o de não se deixar esmaecer e reprimir e repartir e despetalar.
São dons que nascem de nossa insanidade mais que provada, para que possamos vir a ser sãos.
E por aí vai...o aprender que não se cansa de ser parceiro.
É bom esse gosto na boca: parecido com o que não mata  a sede, porém a atiça
mais e mais.
Bom, o som das notas destemidas pelo ar: o mesmo da alegria de se saber eterno.
E repito, em todos os sentidos, o prazer de ser parente de estrelas que, incandescentes,
ainda fazem nascer flores nos muitos jardins do universo.
E poder viajar em plena lucidez...
_____________________________A.
________________imagem: sonja foos

domingo, 11 de abril de 2010

_______em tempo

somos mesmo
um gigante
e eterno
-pobre de nós-
Haiti
____________A.