terça-feira, 16 de junho de 2009

____o agora



Fico à procura de algumas sementes que joguei em terrenos baldios, dos quais não reconheço a plantação. É como se tudo se houvesse perdido, sido vão.

Colho o vento, ar vazio em minhas mãos vem me mostrar a fragilidade de tudo o que se move agora, nascido em mim tempos atrás.

À distância, torna-se pequena a estrela que me guiava.

Por agora, é breu.

E tento absorvê-lo, para que não o esqueça jamais.

A.

__________________________imagem: richard calmes

Nenhum comentário: