sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

_____janelas[e o tempo]

As janelas têm lembranças guardadas no que veem ao longo de anos de espreita e luz.
Registre-se o que está gravado pelas estações que passam com a velocidade de uma máquina do tempo. A voracidade egoísta do rodar da vida.
Alguém a passar. Alguém a chamar.
Um sob uma árvore, a pensar.
Mil vultos aqui e ali.
Repentes doidos como cliques de câmeras a fotografar o derramar-se fatídico do senhor de brancas barbas e agitadas mãos, porém voz calma em graves tons.
Janelas.
Ali sangram memórias.
Ali singram mares do tempo.


A.Gil

Um comentário:

João Esteves disse...

Foi um verdadeiro "hiato necessário" o tempo transcorrido entre esta e a última visita que fiz a este seu espaço, Aglaé. Alegra-me encontrar este seu blog ainda ativo e ler mais este bom texto seu que fala tão bonitamente de janelas e de tempo.